Harmonizar o vinho com um belo jantar é uma ótima pedida para o dia dos namorados.

Uma das coisas que eu e Renato, meu namorado, mais gostamos é de cozinhar juntos e escolher um bom vinho para acompanhar. Isso pode ser visto no meu perfil do insta na hashtag #cozinhamalucadaAlêedoRê. Geralmente, fazemos uma proteína e um carboidrato. Pratos simples, mas com muito sabor e amor. A entrada é sempre algo leve como queijos, cogumelos ou brusquetas.

Sabe harmonizar o vinho?

A harmonização do vinho não é algo que dominamos. Sabemos que ela tem sua importância, pois permite uma experiência palatal bem mais interessante. Deixamos que nosso paladar nos guie. Renato gosta de vinhos mais encorpados, potentes, com toque terroso como o Sirah, que combina com sabores mais fortes de pratos ricos em temperos como alho, cebola. (veja mais sobre essa uva aqui e aqui)

Já o meu preferido é o Tempranillo, da região de Rioja, Espanha. Com taninos médios é considerado de corpo médio a leve. Esse vinho combina com diversos tipos de pratos. Da carne vermelha à carne branca, passando por massas, vegetais e queijos. Excelente para o dia-a-dia.

Meu segundo preferido é o espumante rosê demi sec. Perfeito para acompanhar sobremesas pobres em açúcar e ser saboreado à tarde no lugar do chá das 5. hehehe

Por que harmonizar o vinho?

“A  harmonização de vinhos nada mais é do que uma escolha combinada com o prato, o que indica que uma opção deverá acontecer em decorrência da outra. Existem duas formas de fazer a harmonização: escolher primeiramente o prato, e depois selecionar um vinho que o acompanhe, ou o contrário, primeiro escolher o rótulo que mais o agrade, para em seguida definir o prato ideal.

Para facilitar, segue um direcionamento da importadora Casa Rio Verde de algumas harmonizações clássicas:

ESPUMANTES harmonizam muito bem com entradas, aperitivos como canapés, saladas etc. Ótimo para opções como a comida japonesa. Se o espumante for demi sec ou doce, ele harmonizará muito bem com sobremesas e pratos doces.

VINHOS BRANCOS E ROSÉS são boas opções para acompanhar saladas, aves, peixes, frutos do mar em geral, massas com molho branco e/ou queijos. Como costumam ser vinhos de paladar mais leve, o ideal é que os pratos sejam mais leves também, sem muitos condimentos.

PARA OS TINTOS, pratos com carnes vermelhas e/ou com molhos vermelhos. Porém, é preciso ter um pouquinho de atenção. Os vinhos tintos são muito versáteis, desde vinhos jovens, frutados, até vinhos fortes e de sabor encorpado. Para saber mais sobre harmonizações e sugestões consulte site da Casa Rio Verde.”

Quebre as regras

Apesar de se ter um direcionamento sobre vinho branco para carne branca, vinho tinto para carne vermelha, vale ressaltar que o importante são os sabores conversarem entre si. Por exemplo, uma carne branca com algum tipo de molho deve ter um vinho combinado com o mesmo*. Carnes fortes como pato, cordeiro, caças, devem combinar com vinhos encorpados. Pratos cítricos devem combinar com vinhos também cítricos. E assim por diante. (fonte)

*O bacalhau assado ao azeite com batatas e alho, cuja receita está aqui, rico em sabores combina tanto com vinho branco ou tinto. Desde que sejam encorpados e intensos com acidez vigorosa.

O importante é ter prazer à mesa.

Outro detalhe é não se prender às regras. O importante é ter prazer à mesa. Se agrada ao seu paladar, quebre as regras e se jogue.

Bônus: Se você tem dificuldade para pronunciar o nome das uvas, basta conferir esse artigo.

Parte da pauta enviada por Regina Perillo Comunicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *