• Porto Seguro com crianças!

Conheci ele no Tinder e estamos juntos desde então.

Os aplicativos de relacionamento são uma realidade atual, mas ainda geram alguns dilemas e até constrangimentos. Por isso resolvi postar aqui a minha experiência com um deles, talvez um dos mais falados ultimamente, o Tinder.

Porém, antes quero contar para vocês que se relacionar de forma virtual não é uma modernidade recente. Na verdade, acho que sempre existiram relacionamentos às escuras. Nos anos 80, bem antes da internet, existiam os serviços telefônicos de relacionamento nos quais as pessoas entravam com codinomes. hehehe Claro que não usei, naquela época era muito nova ainda. Mas, sabia da existência e do mistério que cercava esse serviço.

Por que entrei no Tinder.

Vamos à minha história: minha filha baixou o Tinder no celular para zoar um amigo. Nossos aparelhos são interligados e o app foi instalado no meu também. Sempre ouvi algumas más impressões de aplicativos de relacionamento, a principal é que as pessoas ali estavam interessadas apenas em encontros casuais e pegação. Por isso, nunca tive interesse. Mesmo porque nos últimos dois anos me fechei totalmente para me refazer do divórcio.

Pois bem, com o app no meu celular, resolvi brincar. Porém, esse primeiro contato com o Tinder não foi bom. Pois, naveguei no app e sem saber mandei um oi para mais de 100 pessoas em apenas 15 minutos. Achei que o meu gesto para direita estava descartando as pessoas, na verdade estava curtindo. hehehe

Imediatamente foram chegando várias mensagens e vi que algo estava errado. Cancelei meu perfil e apaguei o app.

Uma segunda chance para o Tinder.

O tempo foi passando, as feridas do divórcio cicatrizando e comecei a sentir vontade de ter alguém ao meu lado que me fizesse rir, que me acompanhasse na hora do filme ou do vinho. Um relacionamento adulto e leve… e com algum vínculo afetivo.

Dois meses se passaram e revolvi baixar o Tinder novamente. Determinada a encontrar alguém que me soltasse o riso, dei mais uma chance ao app. No entanto, com muito pé atrás, pois o encontro casual não era meu interesse. Estava com medo, mas fui assim mesmo.

Conheci ele no Tinder naquele dia.

Baixei o app de manhã, fiz um perfil bacana, estabeleci os filtros. Depois do almoço, dei uma navegada e observei alguns perfis. Confesso que tinha muita gente estranha. Mas, mantive a mente e o coração abertos. Não demorou muito e vi o perfil dele. Achei bem interessante. Um sorriso lindo, a pele morena do jeito que eu gosto. Mas, foi a foto com a filha que me ganhou de vez. Seria mais fácil alguém com filhos se relacionar com outra pessoa com filhos. Pois, algumas situações se repetem e já teríamos aí muitas coisas em comum. Ainda com medo, me joguei no escuro… Mandei uma curtida para ele (um coraçãozinho).

Demoraram apenas alguns minutos e ele também me mandou uma curtida. Deu match.

Conheci ele no Tinder e o nome dele é Renato.

Começamos a conversar naquela tarde. E 7 meses depois continuamos conversando como se fosse a primeira vez. Bendito Tinder.

Temos muitas coisas em comum. Nossa afinidade e química são imbatíveis. Muitas coincidências permeiam nosso relacionamento. Só para ilustrar, durante meu curso de engenharia, passei na porta da casa dele por 5 anos. Foi um encontro de almas.

Depois que nos conhecemos descobri muitos casais que se conheceram no app e até se casaram. Nem todo mundo que entra no app de relacionamento está apenas à procura de encontros casuais. Algumas pessoas apenas gostam de ficar em casa ou não tem a oportunidade de sair com frequência. Nessas horas o mundo virtual ajuda bastante.

Apesar da minha história ter tido um final feliz, conhecer alguém nas redes sociais traz seus riscos. Assim, como conhecer alguém na balada também traz. A grande diferença é que nas redes sociais é muito mais fácil mascarar as reais intensões e até mesmo um desvio de personalidade.

Portanto, se deseja conhecer ou encontrar alguém dessa forma, tome todos os cuidados possíveis. Marque os primeiros encontros sempre em locais públicos como praças de alimentação, por exemplo. Avise parentes ou amigos sobre seu encontro: data, local e hora. Tente arrancar o máximo de informações e referências da pessoa com quem vai se encontrar.