• Saiba mais

Olá Queridas e Queridos!

2016 foi mesmo o ano de divórcio. A bruxa esteve solta durante o ano e a quantidade de separações, inclusive de celebridades foi assustadora.

divorcio_2016_foi_o_ano_dos_divorcios2

Chegando à reta final de 2016 é tempo de fazer reflexões sobre tudo que aconteceu no decorrer do ano. Alguns dos assuntos que mais dominaram os tablóides e as redes sociais foram os divórcios das celebridades.

Angelina Jolie e Brad Pitt, William Bonner e Fátima Bernardes, Luana Piovani e Pedro Scooby e tantos outros casais anunciaram a separação neste ano. Afinal, será que nunca vai existir um casamento perfeito? O que será que aconteceu com estes casais?

Pesquisas recentes mostram um aumento do número absoluto dos casamentos entre homens e mulheres de cerca de 37,1%, nos últimos 30 anos. A duração, no entanto, diminuiu: em 1984, a duração média de um casamento era de 19 anos. Hoje, esse tempo se reduziu para uma média de 15 anos. O número de divórcios no país cresceu mais de 160% na última década. Dados da pesquisa Estatísticas do Registro Civil de 2014, divulgados pelo IBGE, indicam que foram homologados 341,1 mil divórcios, um salto significativo em relação a 2004, quando foram registrados 130,5 mil divórcios.

E quando falamos da separação de casais até, então, modelos de uma relação amorosa e duradoura frustram e decepcionam pessoas que os tinham como referências. O divórcio de pessoas famosas e populares sempre traz um burburinho nas redes sociais. Situações como essas levantam questões como: casamento tem prazo de validade?

A psicóloga e sexóloga Sônia Eustáquia Fonseca explica que é normal nos identificarmos com pessoas que por estarem expostas, acabam sendo exemplos de uma possível realização que gostaríamos de viver, por isso, quando elas se separam, ficamos tão chocados. “As pessoas se casam para viver felizes para sempre, porém não contam com as mudanças que terão que fazer em suas vidas pessoais quando decidem viver a dois. Mas, algumas razões como filhos e administração de bens, por exemplo, fazem com que mesmo não estando felizes, os casais mantenham o casamento”.

Causas que levam ao divórcio

Angelina Jolie e Brad Pitt decidiram se separar após doze anos de união. O verdadeiro motivo não foi divulgado, mas a especialista afirma que existem pontos que interferem diretamente nessa decisão. “Há um desgaste natural nas relações, independentemente de ser a relação do casamento. Geralmente, idealizamos uma pessoa e nos apaixonamos por essa ideia, chamamos isso de amor de transferência. O conflito é justamente a “desidealização” e o esmaecimento do vigor do desejo sexual, que são fatores determinantes na decisão da separação”.

A psicóloga completa que a perda de parceria e amizade pode ter mais peso do que a perda do desejo sexual. “Percebo que a perda da fidelidade motiva mais separações do que outras. O ciúme também pode ser um motivo de separação, já que gera desconfiança e atitudes embaraçosas que podem culminar em um término da relação. A insegurança, a baixa autoestima, entre outros sentimentos também motivam bastante as separações”.

Uma dica da especialista para tentar manter a saúde de um relacionamento é não expor os problemas conjugais a terceiros ou a pessoas que não poderão ajudar de forma eficiente. “Procurar ajuda profissional em uma situação de desgaste é um investimento para o casamento”.

Infelizmente, também estou fazendo parte dessa estatística. Depois de 23 anos juntos, sendo 8 dentro do casamento e um saldo de 3 filhos, meu relacionamento acabou em 2016 e já estamos finalizando o divórcio em breve. O que aprendi com o meu fracasso (sim, é assim que nós mulheres nos sentimos logo após a separação de corpos) é que um relacionamento só será duradouro se o amor for verdadeiro. Não esse amor romântico que vemos nos filmes. Esse tipo de amor não basta. É preciso se doar por inteiro pelo outro e pela família. Quando a felicidade de for promover a felicidade do outro, todas as outras premissas do casamento estarão presentes: respeito, lealdade (vai muito além da fidelidade), parceria, companheirismo, reciprocidade e amizade.

Se você não tem interesse ou capacidade de viver em função da felicidade do outro, então a melhor forma de evitar o seu divórcio é não se casando com essa pessoa. REFLITA SOBRE ISSO!

Parte da pauta enviada por Letra Comunicação.

Fonte: Sônia Eustáquia, psicóloga clínica e sexóloga