• Leia mais

Olá Queridas!

Na coluna 5 Coisas, vou falar sobre 5 mitos sobre a pele oleosa que envolvem inclusive a maquiagem!

cuidados-com-a-pele-na-adolescência

Durante os 8,5 anos à frente da disciplina de Imagem Pessoal e Maquiagem nas faculdades Newton Paiva e Uni/BH aprendi muito sobre pele no que diz respeito aos tipos encontrados e suas características. Uma coisa que observei é que a maioria das pessoas não sabem identificar corretamente seu tipo de pele. Além disso, elas sempre acham que sua pele é oleosa, sendo que na verdade, a maioria na nossa região (sudeste) tem pele mista (oleosa na zona T – testa, nariz e queixo e normal ou seca nas maçãs).

Para começar, vou deixar claro que existe uma infinidade de tipos de pele, pois cada uma é única e a classificação dos tipos: oleosa, mista, seca e normal, é bem generalizado, pois seria impossível nomear todos.

Para identificar o tipo de pele basta observar tátil e visualmente sua aparência, textura, abertura dos poros, existência ou não de pontos pretos, amarelos e marcas de acne, existência excessiva ou não de brilho.

Algo que deve ficar bem claro é que uma pele saudável brilha, de forma discreta e homogênea.

A pele oleosa apresenta um excesso de brilho em toda superfície, podendo ainda ser mais forte na zona T. Isso se deve à produção de óleo desequilibrada. Sua textura é grossa e rugosa. Seus poros são abertos, podendo apresentar pontos pretos e/ou amarelos. A pele oleosa pode ser acneica ou não, pode apresentar cicatrizes e/ou manchas decorrentes da acne. Pode ter uma aparência amarelada e em alguns casos ter um cheiro característico de óleo.

tipos-de-pele-oleosa

Mitos:

Lavar a pele várias vezes por dia diminui a oleosidade e deixa a pele limpa: Lavar a pele várias vezes retira seu manto hidrolipídico provocando o efeito rebote, ou seja, a pele produz mais óleo ainda. O ideal é limpar a pele duas vezes ao dia: pela manhã e à noite, com produtos específicos para pele oleosa. Durante o dia você pode retirar o excesso de sebo com papéis absorventes (ou lenços de papel), apenas pressionando-os sobre a pele.

Usar maquiagem todos os dias em pele oleosa agrava o quadro: Qualquer pele pode receber maquiagem todos os dias desde que a esteja limpa, preparada, os produtos usados sejam adequados ao tipo e a maquiagem seja totalmente retirada com produtos próprios antes de dormir.

Usar hidratante aumenta a oleosidade da pele: Hidratação não tem nada a ver com oleosidade. Hidratação tem a ver com água, portanto a pele oleosa deve ser hidratada como qualquer outra. Primeiro, de dentro para fora, através da ingestão de líquidos, segundo com uso de um hidrante próprio (geralmente são bem leves e “aguados”), para manter a água na pele por mais tempo.

Pele oleosa tem menos rugas que a pele seca: Mais ou menos. A pele oleosa demora bem mais tempo para aparecer as rugas, mas quando aparecem, estas são mais profundas.

Uso de esfoliante diminui a oleosidade da pele: A pele oleosa é tão sensível quanto a pele seca, portanto não pode ser esfoliada com frequência, mesmo porque como no primeiro item, esta prática pode provocar o efeito rebote.

Para finalizar, saibam que a pele muda no decorrer da vida. Mudança de hábitos, alterações hormonais, clima, temperatura, poluição, alteração na alimentação, stress são alguns dos fatores que podem mudar o seu tipo de pele. Para ilustrar: Uma pele que na infância foi normal, pode ser tornar oleosa na juventude, mista na fase adulta e seca na terceira idade. (veja mais sobre acne tardia na mulher madura aqui)

Quer aprender a fazer uma pele perfeita na maquiagem? Venha fazer o curso de técnicas de maquiagem profissional comigo. Saiba mais.

Fotos: reprodução.

Uma resposta para “5 coisas: mitos sobre a pele oleosa!”

Comentários fechados.